A decisão do TC, uma gota de água, vale menos de 1% do encargo com a divida publica em 2013

8 de Abril de 2013

O PAÍS QUE TEMOS

Este artigo, é mais um comentário de um leitor, Hugo, do site: opaisquetemos, que apresenta uma proposta e sugestões que publico para apreciação. Este tipo de participação pode fazer a diferença, se quisermos fazer uma mudança política e económica em Portugal. É importante que todos participem com sugestões e opiniões sobre cada proposta apresentada. Num curto espaço de horas, esta é a segunda proposta com recomendações válidas e que devem ser exploradas.

O orçamento do Estado para 2013 é de 183.748 milhões de euros. Em toda descrição detalhada que esta publicada no Diario de Republica (Diário da República, 1.ª série — N.º 252 — 31 de dezembro de 2012) ressalta exponencialmente um único valor: o de “124.750 milhões de euros, que é “operações da divida publica”, quase 70% do total. é o único valor “estimativo”, e comparado com este valor todas as outras despesas são apenas trocos.

Uma poupança de 1% neste valor significa 1.250 milhões de euros menos despesas, o equivalente ao valor resultante da decisão do TC; 2% já significaria uma poupança de 2.500 milhões de euros etc.

Sabemos todos que o Estado deve melhorar a gestão interna, que existam muitos despesas inúteis, que a gestão de muitos sistemas (jurídica, saúda) tem muito que melhorar, para qual se insista em querer inventar a roda outra vez (bastaria copiar sistemas funcionais de países como Dinamarca, Holanda, Suécia), mas o mais importante: porque se insista em poupar em subsídios, salários, pensões, educação, saúda etc., envolvendo a totalidade da população, enquanto com poucos interlocutores (financeiras) se pode negociar reduções significativos no capitulo único dos 124.725 mil milhões de euros? E mesmo necessário que os bancos comerciais recebam dinheiro do BCE a 1% de juros ou até menos, e depois o “vendam” ao Estado por 5 – 6 ou até 7%?

Toda discussão politica é sobre os “trocos” no orçamento do Estado (que representam ca. 30% deste mesmo orçamento), enquanto a discussão devia estar com principal atenção para o maior capitulo do gasto do Estado, um só capitulo que representa 70% de todo orçamento?

com os pequenas remendas como se esta a fazer agora não se vai para lado nenhum.

única possível saída é combinar duas vias:

a) trabalhar em reduzir a nível de gestão financeira os 124.725 mil milhões (o Estado tem instrumentos ao seu alcance para o fazer, não o faz parte por ignorância, parte pelo pressão dos bancos e “mercados”, e parte porque o ministro das finanças e seu equipe estão constantemente a tapar buracos sem tempo de parar para pensar estrategicamente – conhecimento profissional não falta ali).

b) completamente reformar o Estado, a começar pela Constituição. Já se imaginou como seria Portugal se teria:

– o sistema de flexi-segurança no mercado de trabalho como tem a Dinamarca (pois, o PCP e sindicatos já não tinham motivo para brincar aos greves …)

– o sistema jurídico que tem Holanda (pois, os Isaltinos desta terra tinham que ir mesmo para prisão…)

– o sistema de saúda da Suécia (pois, os médicos do Estado tinham que trabalhar a 100% pelo Estado, e não a cobrar 50 – 60€ por consulta nos consultórios privados em 30% do tempo de trabalho)

– o sistema de educação como tem a Finlândia (pois, não se pode instalar de um ano para outro, e muito tinha que mudar, a começar pela mentalidade de todos: professores, alunos, pais …)

– o sistema de finanças de Alemanha (pois, aqui é que doí muito, o funcionários a começar utilizar a inteligência e deixar de beber cáfe, e os cidadãos a comportarem se com mais humildade e honestidade, em que advogados, médicos e os demais declaram algo mais que somente o salário mínimo…)

– o sistema politico que tem um Suíça ou um Islândia, ambos democracias verdadeiras (pois, os políticos, deputados e demais, reduzidos a mais de metade, tinham que começar a trabalhar a serio, e deixar de utilizar a Assembleia de Republica como se fosse um teatro de palhaçadas …)

Será que em Portugal, depois dos Descobrimentos, ainda sobra coragem para tanto??? Ou foi todo gasto???

Um coisa é certo: dentro do actual estrutura do PSD e PS não há este coragem de certeza.

Quem vai querer cortar os “boys” em 50%, mandar os Isaltinos para prisão, e correr atras dos de BPN até conseguir apanhar todo o que esta escondido???

Acredito que  sugestões apresentadas por cidadãos comuns, poderão contribuir mais para uma mudança de sustentabilidade do país, do que o que poderá ser elaborado e imposto aos portugueses por uma equipa de incompetentes, e corruptos como Passos Coelho e Catroga, que uma vez mais se estão a reunir para ainda complicarem mais a vida de cada português.

About Carlos Piteira

Licenciado em Microbiologia pela Maryland University. Especialista em Microbiologia Clínica pela American Society of Clinical Pathologists. Consultor da Qualidade do Ar Interior. Autor do livro: ” A Qualidade do Ar Interior em Instalações Hospitalares”

Ver todos os artigos de Carlos Piteira

Subscrever

Subscribe to our RSS feed and social profiles to receive updates.

7 comentários em “A decisão do TC, uma gota de água, vale menos de 1% do encargo com a divida publica em 2013”

  1. Artur Says:

    ALGUÉM PAROU A PENSAR SE TUDO ISTO NÃO PASSA DUMA ESTRATEGIA DO GOVERNO COMBINADA COM O TC? ESTES TIPOS DO GOVERNO QUERIAM CORTAR COM 4.000 MILHOES DE DESPESA MAS NÃO TINHAM CORAGEM – SÃO DEMASIADO COBARDES PARA CONHECEREM O SIGNIFICADO DA PALAVRA “CORAGEM” – PARA DAR INICIO A ESSA SELVAJARIA. SELVAJARIA PORQUE ELES QUEREM E VÃO CORTAR NAQUILO QUE AFECTA AOS TRABALHADORES, NÃO VÃO CORTAR NAS MORDOMIAS DELES E DOS SEUS ACÓLITOS. COM ESTE CHUMBO DO TC TÊM A OPORTUNIDADE DE DAR O PONTAPÉ DE SAÍDA. É QUE TAMBEM NÃO ENTENDO TANTO BARULHO POR 1.3 MILHÕES DE EUROS… E QUE COM BASE NESTA DECISÃO QUEREM CORTAR 3 VEZES MAIS. PARA ACUDIR A ESTA DESPESA EXTRA DE 1.3 BASTAVA-LHES CORTAR OU REDUZIR O ORÇAMENTO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA EM 1/3, OS POLITICOS QUE TÊM 2 E MAIS REFORMAS PASSAVAM A USUFRUIR DUMA SÓ, VENDIAM TODOS OS CARROS OFICIAIS FICAVAM COM APENAS 4 OU 5 VIATURAS. CORTAVAM 10% NOS SALÁRIO DOS DEPUTADOS E DESPEDIAM TODOS OS BOYS QUE ESTÃO A MAIS NOS MINISTÉRIOS, NAS SECRETARIAS DE ESTADO, NOS INSTITUTOS E DEMAIS ORGANISMOS, CARGOS ABSOLUTAMENTE INÚTEIS OCUPADOS POR GENTE DA MESMA CATEGORIA QUE APENAS ESTÃO AÍ PORQUE TÊM CARNÉ DO PARTIDO. SÓ COM ISTO REDUZIAM A DESPESA DO ESTADO EM 10MIL MILHOES!!!!!!!!!!!!
    ELES É QUE NÃO QUEREM CORTAR NAS SUAS MORDOMIAS E DIREITOS. QUEREM É CORTAR NO POVO QUE TRABALHA.
    TUDO ISTO É ESTRATÉGIA E POR TRÁS ESTARÁ O PAULO PORTAS PORQUE NÃO VEJO O PASSOS COELHO COM CAPACIDADE INTELECTUAL PARA ORGANIZAR TAL TRAMÓIA OU ESTRATÉGIA.

    Texto escrito em Português e não em qualquer dialecto importado. Para importações já temos suficiente com o estrume proveniente da China.

    Gostar

    Responder

    • opaisquetemos Says:

      Caro Artur Pimenta,

      Os meus agradecimentos pelo seu comentário.

      Concordo com a sua opinião em como resolver o problema do OE para 2013, causada pela decisão do TC, que vem ao encontro do que publiquei hoje no meu artigo intitulado: “Onde e como resolver a decisão tomada pelo TC, sobre o OE para 2013”.

      Quanto à ideia de que possa ter havido um planeamento entre o governo e o TC, para a decisão final sobre as inconstitucionalidades, pois nem quero pensar nisso. Caso isso tenha acontecido, em quem poderemos futuramente acreditar? Que nos restará para continuarmos a viver no país e pagar impostos? Isso seria pior que o quero, posso e mando de uma ditadura, porque para além de mandarem, ainda nos tratariam como que não fossemos ninguém. Espero que isso não passe de uma pura imaginação ou ficção, depois de tanto sermos enganados ao longo dos anos.

      Sinceramente,

      Carlos Piteira

      Gostar

      Responder

  2. Maria Alpoim Says:

    A questão do chumbo de algumas rúbricas do OE pelo TC é demasiado nebulosa para não ser o perfeito alibi tendo em vista a implementação de medidas sugeridas (impostas) pelo FMI (governo) no famoso documento para a reforma do estado que até continha permissas erradas. De uma penada o que era ilegal (despedimentos na função pública) o TC legalizou ao equiparar funcionários públicos com privados. Esta estratégia já tinha sido implementada em Junho passado com a conivência do TC a fim de estender aos privados os cortes na função pública. Não é crível que os juízes nomeados pelos partidos do governo para o TC tivessem votado contra as ditas rúbricas do OE sem a aquiscência de quem lá os colocou. Também não é crível que o governo, por muito incompetente que seja, tenha ignorado os avisos à navegação que durante mais de 1 mês se fizeram ouvir sobre o chumbo do TC sem ter um plano B. Esse plano existe e é o dito plano do FMI. Desgraçadamente aquilo que é necessário fazer continua por fazer porque os interesses dos grupos de pressão são gigantescos. O estado paralelo continua, não se fazem acordos com os parceiros das PPP, não se cortam para metade o número de autarquias e não se coloca a banca ao serviço da economia mas sim ao serviço do próprio estado, a quem empresta a 7-8% de juros, juros impensáveis para as empresas privadas, ou ao serviço de grandes grupos privados mesmo que seja para a aquisição de activos tóxicos (vide exemplos do Berardo, Cimpor, da compra da Celbi e subsequentes empréstimos no valor de 900 milhões de euros quando na totalidade a Altri não vale nem metade, e ultimamente à família Melo para tirar a Brisa da bolsa) ou a formação de grupos de capital de risco (sempre os mesmos). Aliás o próprio estado dá o exemplo colocando verbas do QREN destinadas a empresas nas mãos de grupos financeiros de capital de risco numa triangulação infernal onde ganham os parasitas do costume.
    Muito tem de ser feito sobretudo na justiça muito embora o sistema de justiça holandês seja uma farsa dado ser um país de flibusteiros, autêntico paraíso da pirataria fiscal. Estranhamente o seu chefe de fila é hoje presidente do eurogrupo o que demonstra a que nível a Europa chegou que mete a raposa no galinheiro talvez como arma de arremesso alemão. Existem outros sistemas de justiça melhores como o sueco mas a mentalidade do povo é inteiramente distinta. Lá, é mais do que um crime, é um pecado, mentir ao fisco porque são calvinistas e luteranos,. Aqui, à boa maneira católica, é uma honra mentir ao fisco e infelizmente os honestos são tidos como estúpidos e nem sequer são apreciados pelo estado sobrecarregando-os de impostos pensando que andam a fugir ao fisco. Urge nas escolas mudar a mentalidade e envolver fundamentalmente a família e a igreja, sim esta entidade, porque são os maiores culpados do estado a que isto chegou com a desgraçada educação ministrada e que gerou os insignes políticos da nossa praça.

    Gostar

    Responder

    • opaisquetemos Says:

      Cara Maria Alpoim,

      Os meus agradecimentos pelo seu comentário.

      Em poucas horas, é a segunda pessoa em por em dúvida a orquestração entre o governo e o TC, sobre a decisão das inconstitucionalidades do OE para 2013. Tal como mencionei ao outro leitor, nem quero pensar em tal actuação maquiavélico dos dois ramos do Estado, o poder executivo e o poder jurídico e constitucional. Isso a ser verdade, em quem acreditar no futuro?

      No artigo que publiquei hoje intitulado: “Onde e como resolver a decisão tomada pelo TC, sobre o OE para 2013”, referi-me à forma como solucionar o problema da diferença do OE para 2013 em relação à decisão do TC, onde referi-me às mordomias do governo, PPPs e não só. Acredito que neste aspecto temos a mesma opinião.

      Sinceramente,

      Carlos Piteira

      Gostar

      Responder

  3. Marcos Pinto Basto Says:

    Na situação que Portugal chegou, só uma Junta de Salvação Nacional para tornar a erguer o País com a participação de todos num movimento revolucionário que deverá eliminar todos os cargos eletivos e colocar em prática um política salarial que não agrida os mais pobres, assim como não diminua a saúde pública ou a educação.
    Criando grupos de trabalho no campo para aumentar muito a produção agrícola, garantindo a alimentação de todos, fazendo o mesmo com a pesca e promovendo muito o turismo. Paralelamente a todas as medidas para incrementar a economia de base, prender e investigar todos os participantes em numerosos crimes financeiros não esclarecidos ou criminosamente abafados que denunciam muita corrupção. Passos Coelho e sua orquestra de incompetentes, mostraram-se muito eficientes na arte de desmontar a economia de Portugal em favor dos agiotas e dentro da politica que rege grupos internacionais para visam comandarem o mundo.

    Gostar

    Responder

    • opaisquetemos Says:

      Caro Marcos Basto,

      Os meus agradecimentos por mais um dos seus comentários.

      A sua recomendações vêm ao encontro da minha opinião pessoal. Mas essa, não é a opinião da maioria dos portugueses, que desejam novas eleições, pelo método de sempre desde o 25 de Abril. Novas eleições pelo mesmo sistema instalado no país, não solucionam o país mas apenas agravam mais a situação.

      Sinceramente,

      Carlos Piteira

      Gostar

      Responder

      • Marcos Pinto Basto Says:

        Amigo Carlos Piteira, deixei Portugal em FEV/76 pela tremenda balbúrdia que reinava no comando da revolução, uma revolução muito nebulosa como a trajetória do Mário Soares que vivia entrando e saindo da embaixada yankee.
        Lisboa estava cheia de agentes da CIA e seus lacaios infiltrados na revolução. Queriam apagar aquele capitão muito maluco, o Ótelo Saraiva de Carvalho porque era um comunistão de mão cheia, encrenqueiro. Depois sumiram com as dezenas de toneladas de ouro que estavam na casa forte do Banco de Portugal. No dia do golpe, Portugal era a 4ª maior reserva de ouro do mundo! Nunca ouvi ou li alguém indagando sobre este assunto.
        Hoje, parece que a situação está pior porque os ladrões estão escudados no governo ou até fazem parte dele e o número de políticos sem caráter patriótico é assustador, falam muito, mas não dizem nada e fazem tudo contra o pobre Povo.
        Os comentários internacionais contra Portugal mencionam muito a falta de honestidade
        deles. Não entendo como os portugueses estão quietos! Já deveriam ter partido para a greve geral e colocado os ladrões na prisão. Portugal está nessa situação devido a sucessivas e grandes falcatruas feitas em todos os governos depois do Ramalho Eanes.

        Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s