COM ESTE SISTEMA POLÍTICO, NEM A TROIKA NOS PODE SALVAR

20 de Fevereiro de 2013

Economia, O PAÍS QUE TEMOS, Política Nacional

antonio_mexia_edp9_pequenaSegundo António Mexia, a venda da última participação do Estado na EDP “foi um sucesso”. António Mexia desvalorizou o impacto da saída definitiva do Estado da eléctrica, considerando que “era essencialmente um accionista financeiro”, reafirmando que “nada muda” na eléctrica.

 Será que de facto nada muda para Portugal?  Acredito que com a libertação dos preços nos mercados, os portugueses irão pagar bem caro ao longo dos anos o custo da energia eléctrica, produto essencial para a sobrevivência. A miséria a que o país tem chegado nas 3 últimas décadas, tem contribuído para a criação de monopólios privados, de grupos internacionais que gradualmente se têm infiltrado no país. O senhor Mexia, não representa os interesses do país, mas os seus e dos grupos privados com quem negoceia. Certamente, que este senhor como executivo de uma empresa de produtos ou serviços não indispensáveis à sobrevivência, não conseguiria o sucesso e bónus alcançados. Mas tudo o que tem conseguido deve-se ao suor dos portugueses. Poderá dizer que a maior parte dos lucros não são de negócios nacionais, por isso os lucros ficam em paraísos fiscais fora do país. Mas os bónus e vencimentos recebidos, são pagos pelos portugueses.

——————————–

combustíveisGasolina a caminho dos 1,70 euros por litro. Esta foi a sexta subida dos preços dos combustíveis em 2013, que desde o início do ano só desceu por uma vez. Segundo dados da Direcção Geral de Energia e Geologia (DGEG), relativos a sexta-feira passada, o preço do litro da gasolina em Portugal já encareceu seis cêntimos desde o início do ano, enquanto o gasóleo subiu 3,5 cêntimos.

O governo, afirma sempre, que conforme a Autoridade da Concorrência, não há nada de errado com a manipulação dos preços. Como é possível não haver manipulação dos preços dos combustíveis, quando os painéis nas auto-estradas de norte a sul do país demonstram a sincronização dos mesmos, nunca excedendo entre as petrolíferas ± 1 cêntimo? Qual a razão da colocação desses painéis, se não dão qualquer margem de escolha aos consumidores?

Os combustíveis são outro monopólio poderoso dentro do país, para o qual o governo não tem, nem está interessado em controlar. Independente dos custos internacionais do petróleo, há um descontrolo total dos custos para o consumidor em Portugal, sem qualquer controlo governamental. Certamente, o governo nada tem que se pronunciar contra os aumentos consecutivos dos preços dos combustíveis, porque tal como as petrolíferas é outro dos beneficiados dos aumentos, sendo a única vítima como sempre o contribuinte.

Em Portugal, todo o produto que sobe tarde ou nunca volta ao preço anterior, ainda que os mercados externos baixem. Este cenário dos combustíveis, é o mesmo da energia eléctrica que os portugueses vão enfrentar ao longo dos anos.

É impressionante, que as únicas empresas de lucros em milhões, para além da banca, são as empresas de produtos e serviços essenciais à sobrevivência como a energia eléctrica, os combustíveis e as telecomunicações. Muitos dos milhões de lucros dessas empresas, acabam sempre para além fronteiras em paraísos fiscais, sem impostos ou qualquer contributo para a economia nacional.

———————————–

krugman_paginaAumentar o salário mínimo é uma boa política de Obama? “A resposta, foi um claro sim”, de Krugman. O reputado economista Paul Krugman, Nobel da Economia, apresentou várias razões a favor da subida do salário mínimo nos EUA, na sua coluna de opinião no New York Times. Algumas das razões apresentadas, refletem a falta de acompanhamento dos salários em relação à inflação, a melhoria de condições de vida dos trabalhadores e um incentivo para motivação de melhor e maior produção.

Em Portugal, o governo e respectivos partidos parlamentares, votaram contra o aumento do salário mínimo.

Tal como nos EUA, O salário mínimo em Portugal não tem acompanhado o custo da inflação no país.  Esta situação, tem colocado centenas de milhares de portugueses abaixo da linha de pobreza, sem condições de sobrevivência com dignidade, apesar de estarem empregados. Independente da não subida do salário mínimo, não se verificou um aumento dos postos de trabalho no país, mantendo-se a economia cada vez em maior decadência dada a incapacidade de consumo, mesmo de serviços e produtos essenciais à sobrevivência. Esta situação contribui também, para além da desmotivação da classe operária, para o descontentamento e revolta social.

O país, mesmo muito antes da entrada da troika, está em decadência de desgovernação constante, onde umas centenas de indivíduos acumulam fortunas milionárias e uns milhões de cidadãos vivem cada vez mais na pobreza. A classe média está em vias de extinção, dando origem a um aumento da classe pobre. Esta degradação social, irá contribuir para uma queda económica com maior expansão da crise que vivemos.

A entrada da troika em Portugal, à custa de sacrifícios insustentáveis para os portugueses, foi como um último recurso para a concessão de um empréstimo, a qualquer custo, que evitasse no mínimo a falta de cumprimento imediato do pagamento de salários a todo o funcionalismo público, forças armadas e outras instituições do Estado. Isso, seria a ignição de uma revolução social de consequências desastrosas. Para além das obrigações acima mencionadas, o governo apenas se tem preocupado com o cumprimento da dívida externa e da banca nacional.

Não obstante, o governo ter conhecimento de que a queda da economia, a níveis inferiores ao do consumo, foi o que contribuiu para que Portugal precisasse de apoio externo de instituições internacionais, até  hoje o governo procurou apenas fazer cortes em tudo o que seja possível e impossível para reduzir despesa, sem incentivar a produtividade e crescimento económico. Não houve qualquer tipo de investimento ou iniciativa na economia do país, o que contribuiu para o agravamento da mesma e o aumento contínuo do desemprego.

Ao longo deste mandato a única forma de actuação por parte do Estado para cumprimento das suas obrigações externas e as de rotina básicas internas, tem sido com o aumento de impostos, cortes nos salários e pensões, ida aos mercados uma a duas vezes por mês e esforços contínuos, para entrada o mais breve possível nos mercados financeiros, com empréstimos a longo prazo, para substituição das entregas do empréstimo da troika, quase no fim.

O governo não tem experiência nem criatividade de gestão. Mas também não se pode passar-lhe um atestado de estupidez. Apenas de compreensão retardada sobre as consequências das medidas tomadas. Como a maioria de nós, o governo compreende que a economia interna está em total decadência e as expectativas sobre as exportações, são cada vez menos, dada a conjuntura económica internacional. O governo, indirectamente, vai admitindo a necessidade de novas e mais negativas previsões para este ano. Há tendências a uma queda do PIB. Há um aumento das previsões do desemprego, ainda que não oficialmente anunciadas. Há cada vez menos situações como obter receitas extraordinárias para manipular o défice. O défice de 2012, apesar de todas as receitas extraordinárias e maquilhagem foi difícil e ainda não oficialmente comprovado se foi alcançado.

gaspar94.pequenaFace ao estado das contas, e compreendendo que não vai ser tarefa fácil cumprir o défice em 2013 e anos seguintes, Vitor Gaspar coloca como solução única, o corte em todas as áreas dos direitos e benefícios sociais adquiridos, desde que isso não afecte monopólios e umas centenas de milionários. Para não ser acusado de carrasco do povo, o Ministro das Finanças aguarda a chegada da troika para dizer que foi a troika que impôs.  Os cortes vão agravar ainda mais o estado económico e social do país.

Passos_coelho_serio_peqPessoalmente, sou contra a queda deste governo, para a substituição por outro idêntico que não nos vai levar a parte nenhuma. Mas, não vejo em Passos Coelho um líder. Como exemplo da falta de capacidade de liderança, temos a incapacidade de fazer uma remodelação governamental, para restabelecer alguma fé e acreditação governamental. A falta de credibilidade, as controvérsias em muitas decisões e rejeição há muito pelos portugueses de Miguel Relvas, tem demonstrado uma união entre Coelho e Relvas, como carne e osso. Será que Relvas mantém algum segredo sobre o passado de Passos Coelho, que usa como colateral para evitar a sua remoção? A protecção da amizade com Relvas tem criado muito desconforto e falta de confiança com o governo de Passos Coelho. Há um ditado que diz: “amigos, amigos. Negócios à parte”. Quando um primeiro-ministro protege interesses ou amizades pessoais sobre a vontade do povo, como continuar no governo? Demitir o governo, não! Mudar de sistema político, sim! Mas como? Onde temos um Presidente da República que represente e proteja os interesses dos cidadãos?

O descontentamento social é cada vez maior. O perigo de uma revolução social, de norte a sul de Portugal é cada vez mais iminente.  Os dados na primavera, relativos ao primeiro trimestre de 2013,  em conjunto com a imposição de mais cortes, poderá  ser um momento difícil de controlar uma revolta social.

Há manifestações marcadas de norte a sul do país para 2 de Março, as quais vão mais uma vez demonstrar o descontentamento nacional.  Mas acredito, que para além desta manifestação, tudo promete a ser uma primavera bastante quente e um verão escaldante, independente de faça chuva ou faça sol.

Março 2

, , , , ,

About Carlos Piteira

Licenciado em Microbiologia pela Maryland University. Especialista em Microbiologia Clínica pela American Society of Clinical Pathologists. Consultor da Qualidade do Ar Interior. Autor do livro: ” A Qualidade do Ar Interior em Instalações Hospitalares”

Ver todos os artigos de Carlos Piteira

Subscrever

Subscribe to our RSS feed and social profiles to receive updates.

6 comentários em “COM ESTE SISTEMA POLÍTICO, NEM A TROIKA NOS PODE SALVAR”

  1. korgmann Says:

    Este sistema político para mim é muito confuso, é o sistema do cheque em branco.

    Veja Senhor Carlos,

    Este governo tem maioria parlamentar obtida com a soma dos deputados da terceira força política mais votada, com efeito três membros do executivo pertencem ao CDS/PP.

    Bem a democracia não serve ao PSD? Só se pode governar com maioria? Com um cheque em branco?

    Os eleitores do CDS têm políticos seus no governo mas o PS com o triplo dos votos e segunda força mais votada não? São mais importantes os eleitores do CDS?

    A democracia não é maioria: é o consenso gerado pela discussão, é a diferença.

    Vale a pena pensar nisto.

    Melhores Cumprimentos,

    M. Carvalho

    Gostar

    Responder

    • opaisquetemos Says:

      Caro M. Carvalho,

      Obrigado pelo seu comentário.

      Ao longo do tempo, em diversos artigos tenho mencionado que o nosso sistema democrata não passa de uma farsa.

      Quando um primeiro-ministro afirma publicamente que não governa pela opinião pública, significa que a opinião da maioria não tem voto na matéria.

      O sistema político instalado no país, nem é ditadura nem é democracia. Foi uma constituição política estruturada pelos partidos e para os partidos.

      Sinceramente,

      Carlos Piteira

      Gostar

      Responder

  2. francisco neves Says:

    Parabéns por um bem elucidativo artigo, do que é este pais a beira mar.
    Somos um pais governado de forma estranha, parece que existem dois governos, um que fala para a população em geral ( a gentinha ), e outro para os grandes grupos económicos e clientelas politicas. senão vejamos, á gentinha diz que é preciso fazer sacrifícios, que o estado não tem dinheiro, que o estado social é insustentável, e que tem de levar um corte de 4 mil milhões, mas não explica, como, nem aonde ( o povo não deve de precisar de saber destes pormenores), utiliza os comentadores políticos nos nossos meios de comunicação, para passar a mensagem, que a culpa da divida privada, é das pessoas que andaram a viver acima das suas possibilidades, comprando casas, carros e ferias, irresponsavelmente. ( corrupção e bolha imobiliária, não existem neste pais) . Que a divida publica, é culpa da fuga ao fisco, especialmente desses mal feitores que são, os mecânicos, cableireiros, e restauração. E o povinho, claro, sente-se culpado, afinal comprou uma casa, mesmo não havendo mercado de arrendamento, caíram na tentação de comprar carro, afinal era só ir ao banco pedir um empréstimo, que não levantavam problemas, ate enviavam créditos pré-aprovados para casa, e a banca, que ganhou milhões e continua a fazê-lo, em comissões e bónus, quantos mais créditos aprovados, mais comissões e prémios para o bancários, e mais bónus para o banqueiro,completamente inocente…E a fuga ao fisco é um hobby nacional, facturas só da farmácia.
    complemente de acordo com a emissão obrigatória de factura, e fiscalização, pois se me cobram o IVA, e passam um recibo, como posso eu saber,que o IVA vai para o estado, ou para o bolso, se os meus rendimentos são taxados, porque é que tenho de andar a pagar a parte dos outros, não temos todos de participar na distribuição de riqueza!
    E depois existe o outro governo, o que obdece aos senhores deste pais, aonde se concentra a grande riqueza.
    4 simples casos deste governo estranho.
    – O estado abriu concurso para a criação de um sistema de armazenamento de dados, ate criou alguma polémica por porem informações de estado na mão de privado, o custo estimado era de 100 ou 150 milhões, foi entregue a uma empresa privada por 450 milhões.
    – Uns oficiais de justiça, andavam a desenvolver um sistema informático para o ministério, foram despachados e entregue o serviço a uma empresa privada.
    – À uns tempos o ministro Álvaro, andava a gabar-se de ter reduzido, a despesa com as rendas de electricidade, bem, agora deram as eléctrica um subsidio de 300 milhões, para a construção das barragens. ( que vão gastar mais energia que a que vão produzir, mas vão fazer o milagre da multiplicação do preço do kW)
    – A menina dos olhos deste mesmo ministro, a linha de mercadorias sines-espanha. Gastaram quase 50 milhões, a meter travessas, para adapta-la a bitola europeia no futuro, agora, querem gastar 700 milhões, a meter um terceiro carril, ficando a linha com bitola ibérica e europeia. 50 milhões directamente para o lixo, e o facto de a linha em Espanha ser em bitola ibérica, só as linhas de alta velocidade é que são em bitola europeia, as usadas para mercadorias são em bitola ibérica, faz-me achar este projecto muito estranho,mas se calhar sou só eu…
    Pode ser que um dia,a sociedade civil, exija que os seus impostos, sejam usados, com rigor, responsabilidade e responsabilização.
    Um bem aja!

    Gostar

    Responder

    • Marcos Pinto Basto Says:

      Péssimos homens públicos têm sido empossados como administradores do estado da Nação, incompetentes e faltando-lhes seriedade. Pedro Passos Coelho é o último deles e embora não seja o culpado do atoleiro em que Portugal foi atirado, tornou-se conivente ao acobertar os malfeitores de tanta desgraça e pior, não encontra solução para os problemas que afetam o País. Cavaco Silva, posa de presidente da república, mas é um dos responsáveis pelo tamanho da crise. O tempo não apagou seus feitos e os ruins, péssimos vieram à tona agora, mas não o exime de responsabilidades.
      Estranho muito a passividade dos portugueses perante tantos desmandos governamentais que afundaram a economia lusitana e ainda fico mais atônito com a calma dos militares que já deveriam ter saído a campo em defesa da Nação, afinal aonde estão os valentões do 25 de Abril de 1974 que não arrancam essa gentalha incompetente dos poleiros aonde foram guindados por incautos eleitores, incautos e muito crédulos que não sabem agora como destituir esses incompetentes e desonestos governantes, incapazes de assumir seus erros!

      Gostar

      Responder

      • opaisquetemos Says:

        Caro Marcos Basto,

        Obrigado pelo seu comentário, com o qual estou plenamente de apoio.

        São precisos mais portugueses com a sua visão para Portugal poder um dia mudar de rumo.

        Sinceramente,

        Carlos Piteira

        Gostar

      • Marcos Pinto Basto Says:

        Prezado Carlos Piteira, um assunto que nunca foi explorado em Portugal: Aonde foram parar as toneladas de ouro da 4ª maior reserva de mundial deste metal até ao dia do golpe de estado? Esse safado e velho ladrão Mário Soares sabe do destino que tomaram!

        Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: