PORTUGAL PRECISA DE UM PRESIDENTE COMO FRANKLIN D. ROOSEVELT

9 de Fevereiro de 2013

O PAÍS QUE TEMOS, Política Nacional

Franklin Delano Roosevelt, político norte-americano, nascido em 1882 e falecido em 1945. Foi o 32º presidente dos EUA, entre 1933 e 1945. Membro do Partido Democrata, foi o único presidente a ser eleito três vezes consecutivas. Através do Programa New Deal, usou os poderes federais de maneira a levar o país à recuperação económica, logo a seguir à Grande Depressão. Conduziu também o país durante a Segunda Guerra Mundial.

 “O teste ao nosso progresso não é saber se acrescentamos mais à abundância daqueles que têm muito; é saber se damos o suficiente àqueles que têm demasiadamente pouco.” Franklin D. Roosevelt, Presidente dos EUA, discurso de posse do segundo mandato, 1937.

A forma de governação do nosso país, em sustentar bancos em estado de falência, à custa da opressão demasiada dos cidadãos, leva o país da crise económica ao estado de uma Grande Depressão.

O sistema político instalado em Portugal, já deu tudo o que tinha a dar. Aliás, nunca deu nada! Apenas tem degradado o país ano após ano. Até quando vamos consentir?

, , ,

About Carlos Piteira

Licenciado em Microbiologia pela Maryland University. Especialista em Microbiologia Clínica pela American Society of Clinical Pathologists. Consultor da Qualidade do Ar Interior. Autor do livro: ” A Qualidade do Ar Interior em Instalações Hospitalares”

Ver todos os artigos de Carlos Piteira

Subscrever

Subscribe to our RSS feed and social profiles to receive updates.

10 comentários em “PORTUGAL PRECISA DE UM PRESIDENTE COMO FRANKLIN D. ROOSEVELT”

  1. Gabriel Moreira Says:

    Então para si, nenhum líder serve em Portugal.?

    Será portanto melhor entregar o país às urtigas.

    Gostar

    Responder

    • opaisquetemos Says:

      Caro Gabriel Moreira,

      Obrigado pelo seu comentário.

      Mas, com todo o respeito à sua opinião, acredito que o senhor é uma pessoa bastante satisfeita com as condições em que o país vive. Ainda bem que no caos em que o país se encontra, alguém vive feliz. Valha-nos isso.

      Infelizmente, o seu bem-estar não é compartilhado por milhões de portugueses.

      Gostar

      Responder

      • Gabriel Moreira Says:

        Claro que não vivo feliz com as incertezas actuais e, principalmente, com o problema do desemprego.

        Mas, verdadeiramente, não culpo o actual governo da situação.

        E a minha esperança é de que as medidas que estão a ser tomadas resultem para bem dos portugueses.

        Gostar

  2. Gabriel Moreira Says:

    Pois. Foi um grande Presidente dos E.U.A.

    Mas verdadeiramente o que resolveu o problema do desemprego e crescimento económico daquele país foi a 2ª Guerra Mundial, da qual saíram como uma superpotência.

    Esta a minha opinião, baseada em outras semelhantes.

    Gostar

    Responder

    • opaisquetemos Says:

      Caro Gabriel Moreira,

      Obrigado pelo seu comentário e opinião.

      Mas na realidade o essencial é o tipo de liderança, a capacidade de gerir e o amor pela pátria que um líder serve. Infelizmente, nenhum dos nossos políticos, independente a que partido pertencem, têm a capacidade de liderança e o brio e devoção pela pátria.

      Sinceramente,

      Carlos Piteira

      Gostar

      Responder

  3. opaisquetemos Says:

    Caro Francisco Neves.

    Obrigado pelo seu comentário e opinião pessoal.

    Estou totalmente de acordo com a sua visão no âmbito governamental e da banca, não apenas a nível nacional como internacional.

    Sinceramente,

    Carlos Piteira

    Gostar

    Responder

  4. francisco neves Says:

    Se portugal tivesse um presidente, ja seria um grande avanço, assim temos um individuo que é intitulado de tal coisa,mas que na verdade, pouco ou nada é, e no caso do presente, nem o quer ser. Roosevelt, teve a coragem de olhar pelos interesses do pais, e fez algo de absolutamente fundamental naqueles dias, e extremamente crucial nos dias de hoje, regulou a banca. separou a banca comercial da de investimento, e essa mesma lei,proibia a criaçao de gigantes financeiros, demasiados grandes para falirem, monstros como a goldman sachs, por exemplo, quer isto dizer que com aquela lei, os bancos seriam meras empresas, e iam a falencia como qualquer outra, o que levou ao maior periodo de estabelidade financeira, de crescimento real, de defices positivos, e evoluçao social.E naquela altura havia limites á criaçao de dinheiro, atravez do padrao do ouro,que foi suspenso nos anos 70. hoje nao ha, dai ser mais rentavel a especulaçao que a criaçao de riqueza real. Enquanto a banca nao voltar a ser verdadeira regulada, o mundo nao saira da crise, pelo contrario, as crises vao ser cada vez mais frequentes e piores. a alemanha ja esta a dar os seus passos na regulaçao,ja vai dividir a banca comercial da de investimento, mas na alemanha 60% da banca esta directa ou indirectamente ligada ao estado… presidentes como roosevelt, dificilmente voltaram a aparecer, tanto em portugal como nas democracias ocidentais, os partidos estao sequestrados pelo poder financeiro e pelas grandes empresas, quer isto dizer, que os lideres nao passam de figurantes. naturalmente que ha paises que funcionam melhor que outros, mas isso devesse á exigencia da sociedade civil, coisa que nao existe em portugal,somos demasiados individualistas, nao funcionamos em grupo para lutar pelo bem comum. ” o que interessa é o meu bolso, e os outros que se lix…” portugal seria um verdadeiro pais liberal,nao fosse os portugueses nao gostarem de pagar nada, assim a dividir por todos custa menos…so que uns enchem o badulho, mas a conta é a dividir por todos…

    Gostar

    Responder

  5. Carlos Silva Says:

    Estes senhores que estão à frente dos destinos do nosso país e os supostos deputados que nos estão a representar são assassinos em cortar os subsídios em 6% aos desempregados (que não têm culpa de estar nesta situação) e aos reformados e pensionistas e outros sectores como a saúde e educação pública.

    Se estes cortes ainda dessem resultados positivos na ajuda de reduzir o défice do PIB e outros, mas não, está ainda a piorar a situação económica dos país. Tenham coragem e cortem nos grandes grupos económicos como são os banqueiros, regalias dos deputados e ex deputados que não criam riqueza e outros. Cortem de raiz nos observatórios, fundações e institutos, o verdadeiro parasita do estado.

    Não votem mais nesse lixo denominado PSD, PS e CDS, os partidos da alta burguesia. Dêem oportunidade aos partidos que não estão representados na Assembleia da República como o Partido dos Animais e da Natureza e outros movimentos.

    Gostar

    Responder

    • opaisquetemos Says:

      Caro Carlos Silva,

      Obrigado pelo seu comentário e recomendações.

      Sinceramente,

      Carlos Piteira

      Gostar

      Responder

    • maria manuela sequeira Says:

      Portugal é um país financeiramente e culturalmente falido!À classe política,interessa-lhes,um povo subserviente,para que de vez em quando,possam dizer:”Vá lá,não sejam piegas,a cirurgia não dói,o que dói é o pós -operatório!”Tenho a dizer que:enquanto não mudarmos as mentalidades,o que eu já acho muito difícil,jamais teremos um Portugal moderno,incorruptível,imparcial e humanizado!

      Gostar

      Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: